jusbrasil.com.br
26 de Maio de 2020

Redução da maioridade penal, grande falácia

O advogado criminalista Dalio Zippin Filho explica por que é contrário à mudança na maioridade penal

Antonio Pinheiro
Publicado por Antonio Pinheiro
há 5 anos

Diuturnamente o Brasil é abalado com a notícia de que um crime bárbaro foi praticado por um adolescente, penalmente irresponsável nos termos do que dispõe os artigos 27 do CP, 104 do ECA e 228 da CF. A sociedade clama por maior segurança. Pede pela redução da maioridade penal, mas logo descobrirá que a criminalidade continuará a existir, e haverá mais discussão, para reduzir para 14 ou 12 anos. Analisando a legislação de 57 países, constatou-se que apenas 17% adotam idade menor de 18 anos como definição legal de adulto.

Se aceitarmos punir os adolescentes da mesma forma como fazemos com os adultos, estamos admitindo que eles devem pagar pela ineficácia do Estado, que não cumpriu a lei e não lhes deu a proteção constitucional que é seu direito. A prisão é hipócrita, afirmando que retira o indivíduo infrator da sociedade com a intenção de ressocializá-lo, segregando-o, para depois reintegrá-lo. Com a redução da menoridade penal, o nosso sistema penitenciário entrará em colapso.

85% dos menores em conflito com a lei praticam delitos contra o patrimônio ou por atuarem no tráfico de drogas, e somente 15% estão internados por atentarem contra a vida. Afirmar que os adolescentes não são punidos ou responsabilizados é permitir que a mentira, tantas vezes dita, transforme-se em verdade, pois não é o ECA que provoca a impunidade, mas a falta de ação do Estado. Ao contrário do que muitos pensam, hoje em dia os adolescentes infratores são punidos com muito mais rigor do que os adultos.

Apresentar propostas legislativas visando à redução da menoridade penal com a modificação do disposto no artigo 228 da Constituição Federal constitui uma grande falácia, pois o artigo 60, § 4º, inciso IV de nossa Carta Magna não admite que sejam objeto de deliberação de emenda à Constituição os direitos e garantias individuais, pois se trata de cláusula pétrea.

A prevenção à criminalidade esta diretamente associada à existência de políticas sociais básicas e não à repressão, pois não é a severidade da pena que previne a criminalidade, mas sim a certeza de sua aplicação e sua capacidade de inclusão social.

Dalio Zippin Filho é advogado criminalista.

http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/reducao-da-maioridade-penal-grande-falacia-ems1jrgy501486ya77d8wzb66

1 Comentário

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Descordo em vários aspectos;

Temos um Pais que:

- Da cotas sem parametros, melhor a uma só classe (cor).
- Da bolsa família sem parâmetros durante anos, sem qualquer controle.
- Da bolsa escola sem controle.
- Da auxilio reclusão (absurdo), sendo quem deveria receber são as vitimas e pago pelos acusados.
- Da terras (sem comentários), enquanto outros tem que trabalhar e comprar.
- Tem leis atrasadas, e as que poderiam fazer algum efeito, nem sempre são aplicadas, pelo sistema que temos.

Lembrando que a criminalidade não acaba, porque muitos tem interesse e ganham com isso, tirando as vitimas e a sociedade que paga da pior forma por isso.

Enfim, se damos oportunidades a todos, temos que ter leis e justiça a todos.
Leis essas que devem ser bem elaboradas, eficazes e justas.
E não essa que temos a muitos anos e a cada dia pior.

A regra é clara um pais sem Punição, não chega a lugar nem um, a não ser coisas ruins.
Ordem e Progresso!
Foi isso que aprendi a muitos e muitos anos na escola.
Coisa que não se aplica a muito tempo.., o que podemos esperar de uma situação dessa.
E não me digam em Educação, porque de nada adianta, se por outro lado tivermos o favorecimento oposto..., isso é:
Ninguém vai trabalhar se puder ganhar sem trabalhar, o mesmo ocorre por outro lado.
Isso é fato!.
Vamos ser lógico e parar de ficar com balela. continuar lendo